Fidei Depositium


Aumentam as preocupações de saúde com anticoncepcionais
Pílulas que, literalmente, valem ouro.

Pílulas que "valem ouro".

Vejam como as empresas lidam com a saúde das mulheres e como os contraceptivos, ao invés de proporcionarem “liberdade”, acabam por escravizá-las sob risco de doenças gravíssimas que podem mesmo levar a morte.

Observem a maneira como o texto discorre sobre o assunto e como a questão primordial é sempre a imagem da empresa e do seu produto; como produzem campanhas publicitárias enganosas, as quais ampliam as “vantagens” e minimizam ou disfarçam os efeitos colaterais.

Natasha Singer

(The New York Times, via UOL)

Os contraceptivos orais Yaz e Yasmin são a linha farmacêutica mais vendida da Bayer HealthCare, em grande parte devido ao marketing que os apresenta como muito mais do que um método de prevenção de gravidez.

O Yaz, em particular, a pílula anticoncepcional que é sucesso de vendas nos Estados Unidos, deve muito de sua popularidade a campanhas publicitárias multimilionárias que a promovem como um tratamento de qualidade de vida, para combater a acne e depressão pré-menstrual severa.

O Yaz, o medicamento irmão mais novo do Yasmin, contém menos estrógeno. A linha apresentou vendas mundiais de cerca de US$ 1,8 bilhão no ano passado, com base no posicionamento bem-sucedido pela Bayer do Yasmin e Yaz como os medicamentos ideais para mulheres com menos de 35 anos.

Mas recentemente, a imagem da linha Yaz foi manchada por preocupações de alguns pesquisadores, defensores de saúde e advogados de querelantes. Eles dizem que as drogas deixam as mulheres com maior risco de coágulos sanguíneos, derrames e outros problemas de saúde do que outras pílulas anticoncepcionais.

Esses críticos, entretanto, estão enfrentando um grande estudo de saúde europeu, patrocinado pela Bayer, a gigante farmacêutica alemã, que relatou a conclusão oposta. O estudo financiado pela Bayer diz que os riscos cardiovasculares para as mulheres que tomam os produtos da Bayer são comparáveis aos daquelas que tomam as pílulas anticoncepcionais com fórmula antiga.

Mas os reguladores estão encontrando outros problemas na linha Yaz. A Food and Drug Administration (FDA, a agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos) citou a Bayer neste ano por veicular comerciais de televisão enganosos e, no mês passado, por não seguir os procedimentos de controle de qualidade apropriados na fábrica que produz os hormônios ingredientes.

Em respostas por e-mail às perguntas da repórter, a unidade americana da empresa disse que suas drogas anticoncepcionais foram e continuam sendo amplamente estudadas e que a empresa garante sua segurança. A empresa também disse que respondeu às perguntas da FDA sobre as práticas de manufatura, que ela disse levar muito a sério.

Mas mesmo se a Bayer puder responder adequadamente à segurança e outras preocupações, alguns analistas da indústria dizem que a avalanche de críticas pode manchar a imagem da linha Yaz. Outros produtos da Bayer, como a droga Levitra, para disfunção erétil, e o sistema anticoncepcional intrauterino Mirena, geram bem menos lucro do que a linha de produtos Yaz.

“Para a Bayer, é de longe a marca que mais cresce e com maior margem“, disse Martin Brunninger, um analista do banco de investimento europeu Bryan, Garnier & Co., em uma entrevista por telefone de Londres, na quarta-feira. “Independente disso se tornar uma questão séria ou não, quando uma droga é estigmatizada em público, as pessoas simplesmente deixam de tomá-la.”

A Bayer disse que a empresa já enfrenta 74 processos impetrados por mulheres que dizem ter desenvolvido problemas de saúde após tomarem o Yaz ou o Yasmin. A empresa diz que pretende se defender vigorosamente contra os processos.

As questões de saúde e os processos podem abalar a confiança do consumidor, mas os alertas das autoridades federais de saúde sobre propaganda e controle de qualidade levantam dúvidas maiores a respeito da abordagem da Bayer para o cumprimento das regulamentações, disse Michael A. Santoro, um professor associado da Rutgers Business School, que estudou ética na indústria farmacêutica.

As pílulas anticoncepcionais funcionam alterando os níveis de hormônio das mulheres. Os pesquisadores há muito sabem que tomar pílulas anticoncepcionais com combinação de hormônios – estrógeno e progestógeno – pode aumentar o risco de derrame e coágulos sanguíneos nas pernas e pulmões. Isso ocorre porque o estrógeno exerce um papel na coagulação do sangue. De fato, desde a introdução dos contraceptivos orais nos anos 60, os laboratórios farmacêuticos reduziram enormemente as doses de estrógeno para reduzir o risco de trombose, o termo médico para coágulos sanguíneos.

Com pílulas com menor dose de estrógeno disponíveis, o debate em torno da segurança, que prosseguiu ao longo da última década, se concentrou se o tipo de progestógeno na fórmula também pode exercer um papel no risco de problemas cardiovasculares.

Em 2001, a FDA aprovou o Yasmin, que contém um novo progestógeno chamado drospirenona.

O Yaz, que contém drospirenona e uma dose menor de estrógeno, recebeu aprovação da agência em 2006. Para as mulheres à procura de anticoncepcional, o medicamento também é aprovado para tratamento de sintomas físicos e emocionais severos chamados de desordem disfórica pré-menstrual e acne moderada. Como a drospirenona pode aumentar os níveis de potássio no corpo, ela pode colocar as mulheres que apresentam problemas de fígado ou rim em risco de problemas cardíacos sérios, segundo o rótulo do remédio.

Estudos sobre a segurança de pílulas anticoncepcionais informaram resultados diferentes a respeito dos riscos dos progestógenos.

Um estudo de grande escala na Europa, patrocinado pela Bayer, informou que não havia diferença de risco de problemas cardiovasculares ou morte em mulheres que tomavam anticoncepcionais a base de drospirenona em comparação às mulheres que tomavam pílulas contendo levonorgestrel, um progestógeno usado desde os anos 70.

Mas dois outros estudos com mulheres dinamarquesas e holandesas, publicados no mês passado no “The British Medical Journal”, apontaram um maior risco de coágulos sanguíneos venosos em mulheres que tomavam os novos progestógenos, incluindo a drospirenona.

Os resultados dos novos estudos, conduzidos em populações europeias com fatores de risco genéticos específicos para coágulos sanguíneos, podem não se traduzir para uma população americana etnicamente mais diversa, disse o dr. David A. Grimes, um professor clínico de obstetrícia e ginecologia da escola de medicina da Universidade da Carolina do Norte. E mesmo se o aumento de risco informado for realista, ele disse, ele é minúsculo.

“Minha avaliação é de que um evento raro múltiplo ainda é um evento raro”, disse Grimes, que é um consultor pago da Bayer e de outros fabricantes de anticoncepcionais.

E tomar anticoncepcionais envolve riscos muito menores de coágulos sanguíneos do que engravidar e ter um bebê, ele disse.

Mas o dr. Frits R. Rosendaal, um professor de epidemiologia clínica do Centro Médico da Universidade de Leiden e um dos autores do estudo holandês, disse que vale a pena agir com base nos relatos de um maior risco -trocando as pílulas por aquelas contendo levonorgestrel.

Mesmo se o risco de trombose for baixo, por que não optar pelo menor risco, por garantia?” ele disse.

Uma porta-voz da FDA disse que a agência está revendo a segurança das pílulas anticoncepcionais com um estudo que busca identificar a incidência de coágulos sanguíneos, derrame e morte entre as usuárias do Yasmin e outros anticoncepcionais orais. A Bayer, enquanto isso, está conduzindo um estudo comparando a segurança do Yaz com o de outros anticoncepcionais.

Os advogados que estão processando a Bayer em nome de usuárias que alegam ter desenvolvido coágulos sanguíneos, problemas cardíacos e outros de saúde devido ao uso dos medicamentos, disseram que argumentarão que a empresa sabia ou devia saber que as pílulas levavam a um risco maior.

Uma das pessoas que estão processando é Anne Marie Eakins, professora em Grafton, Ohio, que desenvolveu coágulos sanguíneos em ambos os pulmões em 2007 e que, como resultado, ela disse, perdeu o uso de parte de seu pulmão direito. Ela costumava usar uma variedade de pílulas anticoncepcionais por mais de uma década, até começar a usar o Yaz em 2007.

“Para ser honesta, eu perguntei à minha médica sobre o Yaz, porque vi o comercial e ele mencionava que ajudava no controle dos sintomas menstruais e na acne, o que me atraiu bastante”, disse Eakins, 34 anos. “Eu não pensei que seria pior do que qualquer outra pílula.”

Como os rótulos do Yasmin e Yaz contêm alertas sobre o risco de efeitos colaterais, como coágulos sanguíneos e derrames, as querelantes podem ter dificuldade em vencer os casos com o argumento de que a empresa deveria ter apresentado alertas mais fortes. Mas, armados com as cartas de alerta da FDA para a Bayer, os advogados podem ter mais sucesso com o argumento de que a propaganda enganosa do Yaz estimulava as mulheres a tomarem o medicamento, portanto as expondo a riscos maiores do que teriam caso contrário.

Em outubro passado, a agência enviou para a Bayer uma carta de alerta, citando a empresa por veicular duas propagandas falsas e enganosas a respeito do Yaz. Segundo a carta, as propagandas exageravam a eficácia da droga, a promovendo para condições como síndrome pré-menstrual, para a qual a droga não é aprovada, e minimizavam os riscos sérios associados à droga. Em fevereiro, a Bayer concordou em gastar US$ 20 milhões em uma campanha publicitária corretiva, para corrigir a impressão errada criada pelos comerciais de televisão originais.

No mês passado, a agência enviou para a Bayer uma carta de alerta a respeito de outro problema -desvios nos padrões de controle de qualidade na fábrica na Alemanha que produz a drospirenona e outros hormônios usados nas pílulas anticoncepcionais da Bayer vendidas nos Estados Unidos. A carta dizia que a forma como a fábrica calculava a variabilidade nos ingredientes não atendia aos padrões americanos.

A Bayer disse que leva o assunto a sério. Manter boas práticas de manufatura e a segurança dos pacientes continua sendo uma alta prioridade na Bayer, disse a empresa em uma declaração.

Mas Santoro, da Rutgers Business School, disse que os laboratórios farmacêuticos devem estabelecer padrões mais elevados para si mesmos do que aqueles estabelecidos pela FDA.

Santoro disse a respeito da Bayer: “Isso me diz que ela não está entendendo a área de negócios na qual atua, que não está entendendo os riscos de saúde que está causando ao público ou o risco financeiro que está criando para seus acionistas”.

Tradução: George El Khouri Andolfato

Anúncios


Métodos naturais de planejamento familiar

Se você deseja saber como planejar sua família de maneira fácil e segura leia este folheto

Todo casal tem a necessidade e o direito de determinar o número de seus filhos e o momento oportuno para trazer-lhes ao mundo. Para isso dispõe de várias alternativas. Os métodos artificiais de planejamento familiar, mais comumente conhecidos como “anticonceptivos”, constituem uma dessas alternativas, apesar de que na realidade nem todos têm esse efeito, pois alguns são abortivos e implicam em riscos para a saúde da mulher. Eles são usados, em geral, com a finalidade de evitar os nascimentos e, portanto, conduzem a uma atitude negativa de desprezo pela vida com toda carga de egoísmo e falta de amor que isso significa.

A outra forma é o planejamento natural da família que promove o conhecimento da natureza feminina, de maneira que sejamos capazes de utilizá-la para conseguir ou evitar voluntariamente a gravidez de forma fácil e segura. Pelo fato de estar aberta à vida, promove o amor entre os casais e seus filhos.

Os métodos naturais de planejamento familiar constituem uma alternativa autêntica

Os métodos naturais de planejamento familiar podem ser utilizados por qualquer pessoa que o deseje, prefira o natural ao artificial, não deseje introduzir objetos ou produtos estranhos em seu organismo, tenha qualquer tipo de problemas com sua fertilidade ou acredite que o planejamento familiar não é uma responsabilidade exclusiva da mulher.

Os métodos naturais podem ser utilizados em qualquer momento, desde a menarca (primeira menstruação) até a menopausa, por serem aplicáveis a todas as fases da vida reprodutiva da mulher, não importando se tem ciclos regulares ou ciclos irregulares, esteja amamentado seu filho, se está no período de pré-menopausa ou em qualquer outra situação.

Vantagens dos métodos naturais de planejamento familiar

Ao seguir as leis biológicas da reprodução respeitam a vida no seu início e em todas as etapas de seu desenvolvimento, promovendo uma atitude positiva com relação à criança.

  • Consideram a fecundidade como uma riqueza que pode e deve ser utilizada em momento oportuno.
  • São fáceis de aprender.
  • São seguros, desde que sejam bem seguidos
  • Aumentam o conhecimento e a capacidade de auto-controle.
  • Não fazem com que a mulher fique na dependência de fármacos, dispositivos, medicamentos ou cirurgia.
  • Não têm efeitos colaterais, uma vez que não alteram os processos naturais do organismo.
  • Constituem um valioso guia para o bem estar ginecológico, pois alertam para problemas ou irregularidades do ciclo.
  • São aplicáveis em todas as condições e circunstâncias sócio-culturais, inclusive em mulheres cegas ou analfabetas.
  • Ajudam o homem e a mulher a assumir, conjuntamente, a responsabilidade da fertilidade fortalecendo o amor conjugal.

Os métodos naturais de planejamento familiar consistem, simplesmente, no fato do casal saber fazer um auto-diagnóstico para saber em que momentos é fértil ou infértil, para adequar suas relações conjugais a um, ou outro momento, segundo desejam conseguir ou adiar uma gravidez e, portanto, não são métodos anticonceptivos senão métodos de auto-conhecimento para que o casal faça uso de sua paternidade responsável.

Devido ao desenvolvimento da ciência e da técnica, hoje são conhecidos vários métodos que permitem o auto-conhecimento da fertilidade feminina, pois, enquanto o homem são é fértil em qualquer momento de sua vida adulta, a fertilidade da mulher é cíclica. A mulher só é fértil durante aproximadamente 10 horas no mês, que é o tempo de vida do óvulo depois de sua saída do ovário, o que ocorre apenas uma vez por mês.

O MÉTODO NATURAL MAIS ANTIGO que se conhece é o Ogino-Knauss, Método do Ritmo ou Calendário, que permite obter, mediante cálculos matemáticos, os dias de fertilidade do casal, levando em conta que a mulher ovula apenas uma vez ao mês, nos 14 dias antes da próxima menstruação e que o óvulo vive aproximadamente 10 horas após a ovulação e o espermatozóide 72 horas depois da ejaculação, no muco fértil.

Quando os ciclos são regulares (*) o método é útil, porém, dadas as frequentes irregularidades, o método tem muitas falhas que geralmente se produzem porque o tempo entre a menstruação anterior e a ovulação depende da hipófise e ela por sua vez do hipotálamo e este do córtex cerebral; de maneira que qualquer stress poderá fazer com que a ovulação se atrase ou adiante. O mesmo não acontece com a segunda fase do ciclo que, quase sempre, é regular para toda mulher e que dura aproximadamente duas semanas, entre a ovulação e a menstruação seguinte.

Os cálculos são feitos tomando-se em conta os 12 ciclos anteriores. Do ciclo mais curto subtrai-se 19 dias e do ciclo mais longo 11 dias. C=19 e L=11. Por exemplo, suponhamos que a duração dos ciclos nos 12 meses anteriores foram de: 28, 27, 31, 32, 28, 30, 29, 32, 30, 28, 32 e 28 dias. O mais curto é de 27 dias e o mais longo de 32. Nesse caso teremos 27-19 = 8 e 32-11 = 21, de forma que por este método o casal seria fértil do dia 8 ao dia 21. No caso de adiar uma gravidez o casal pode ter relações desde o primeiro dia da menstruação até o 8º dia e a partir daí deve guardar abstinência até o 21º dia a partir do qual pode reiniciar as relações. Este método tem um índice de segurança de apenas 64%.

O MÉTODO DA TEMPERATURA BASAL tem como fundamento o aumento da temperatura que a progesterona provoca na mulher. Esse hormônio começa a circular na segunda fase do ciclo menstrual ou seja, uma vez que o folículo se tenha convertido no corpo lúteo, depois que se dá ovulação. Quando a temperatura da mulher sobe é sinal de que ovulou. Normalmente a temperatura sobe 2 décimos de grau Centígrado ou 4 Farenheit. Para registrar esse aumento de temperatura há que tomar, diariamente, a temperatura basal com o mesmo termômetro, nas mesmas condições e às mesmas horas, após duas horas de repouso, no mínimo. Para adiar uma gravidez pelo Método da Temperatura Basal, deve-se guardar abstinência sexual desde a menstruação até três dias após o aumento da temperatura (2gC ou 4gF) além dos seis dias anteriores. É a conhecida regra de 3/6. Este método tem uma segurança de 99% mas exige uma abstinência muito prolongada.

O MÉTODO DA OVULAÇÃO OU BILLINGS é um sistema natural e gratuito de regulação da fertilidade baseado na determinação, por parte da própria mulher, das fases férteis ou inférteis de seu ciclo menstrual, reconhecidas pela observação diária do muco cervical recolhido à entrada da vagina. Este método consiste em anotar diariamente em um gráfico as mudanças que observa no muco cervical. Com este método a mulher deve passar um papel higiênico na abertura da vagina antes e depois de realizar suas necessidades e observar se aparece ou não o muco, bem como suas características. É um método muito seguro mas deve ser ensinado por pessoal qualificado pelo menos durante três ciclos.

O MÉTODO DA AUTO-APALPAÇÃO CERVICAL é baseado nas mudanças das características do colo uterino, conforme o momento do ciclo menstrual pelas influências hormonais. Quando a mulher é fértil o colo está alto, macio e com o orifício central entreaberto, enquanto que na fase infértil o colo está baixo, encontrando-se muito facilmente quando se introduz os dedos na vagina, e está duro com o orifício externo fechado.

O MÉTODO SINTOTÉRMICO não é um método como tal, mas uma combinação de vários métodos uma vez que combina o cálculo pré-ovular de Ogino, as alterações do muco cervical do Método Billings, o registro da Temperatura Basal, a autopalpação do colo e cólica intermenstrual da ovulação. Pode-se utilizar a combinação de todos estes métodos ou apenas alguns deles. Quando se deseja adiar um gravidez usa-se para começar a abstinência no primeiro dos sinais ou cálculos da fertilidade que apareça e termina-se a abstinência no último dia do último método.

Existem outros métodos que também são naturais, uma vez que se baseiam na determinação dos momentos férteis ou inférteis para que o casal utilize sua paternidade de maneira responsável. Entretanto, não são gratuitos, uma vez que para determinação dos momentos férteis ou inférteis utilizam acessórios ou aparelhos criados pelo homem e frequentemente são de custo elevado, como por exemplo:

OS MICROSCÓPIOS DE BOLSO. A estrutura microscópica da saliva e do muco cervical variam se a mulher está no dia fértil ou não. Observando-se a saliva ou o muco cervical através desses aparelhos, com um simples treinamento, os casais podem determinar se a mulher está fértil ou não. Existem diferentes marcas desses aparelhos, as mais conhecidas são o Ovulator e o PG-53.

OS MÉTODOS MONOCLONAIS são muito simples em sua utilização, mas muito caro. Consistem em fazer um exame de urina buscando a presença do hormônio luteizante que, apesar de estar sempre presente, tem um aumento brusco nas 24 a 36 horas antes da ovulação. Tem por fundamento o Teste de Elisa baseado em anticorpos monoclonais, que utiliza uma técnica de tiras reativas impregnadas. Quando o hormônio luteizante está baixo a tira se mantém branca ao colocar-se em contato com a urina, mas quando o luteizante está alto, o que ocorre quando a mulher está fértil, a tira fica azul, daí levar o nome de Bluetest. Existem outros similares porém com produtos em gotas no lugar de tiras impregnadas.

O BIOSELF é um pequeno aparelho que tem um termômetro e um micro registro que mede, registra e analisa a temperatura basal e, por meio de sinais de luz, indica o estado da fertilidade.

L-SOFIA é um pequeno aparelho computadorizado que indica os dias férteis da mulher utilizando-se de dados da temperatura basal e do muco cervical (**).

A Declaração final da Reunião Mundial de Especialistas em Métodos Naturais de Planejamento Familiar reafirma a importância de tais métodos quando diz o seguinte:

“Durante os últimos sessenta anos, o estudo dos sintomas que acompanham o ciclo da fertilidade da mulher modificou sensivelmente o espaçamento dos nascimentos. Indo além do métodos do calendário do ritmo, os métodos modernos constituem procedimentos seguros e precisos para conseguir a gravidez ou adiá-la. Os métodos naturais se apóiam em uma sólida base científica.

A saúde das mães e de seus filhos melhora com o espaçamento natural dos nascimentos, e não causa dano algum, nem para a mãe, nem para a criança. Os métodos naturais não faz nenhum mal à saúde dos cônjuges.

A liberdade e os direitos da mulher e do marido são respeitados com o uso desses métodos, que são centralizados na mulher e na integridade de seu corpo.

Os métodos naturais desenvolvem uma relação inter-pessoal mais profunda entre os esposos, baseada na comunicação, nas decisões compartilhadas e no respeito recíproco. Fortalecem o casal e, portanto, a vida familiar.”

NOTAS:

(*) Calcula-se em 20% o total das mulheres que têm um ciclo regular. (N. do T.)

(**) O L-Sophia, de invenção japonesa, é distribuído, no Brasil, por Vieira Importadora de Equipamentos Eletrônicos Ltda. Tel (061) 224-9692 e Fax: (061) 223-8497 – Brasília, DF. (N. do T.)

***

Para obter mais informações sobre o Método Billings, dirija-se a: Family of the Americas, Mercedes Arzu Wilson, Presidente, P.O. Box 1170, Dunkirk, MD 20754-1170 USA; Tel (301) 627-3346, Fax (301) 627-0847.

Para mais informações sobre o Método Sintotérmico, dirija-se a: Couple do Couple League International, Inc., 4290 Delhi Pike (o) P.O. Box 111184, Cincinnati, OH 45211-1184. EE.UU.; Tel (513) 471-2000, Fax: (513) 557-2449.

Para mais informações sobre o Creighton Model, variação do Método Billings, dirija-se a: Paul VI Institute, 6901 Mercy Rd. Omaha, NE 68106, USA; Tel: (402) 390-6600. (Dirija a correspondência em Inglês).

Também pode dirigir-se a: Diocesan Development Program for Natural Family Planning, 3241 4th St. N.E., Washington, D.C. 20017-1194, USA; Tel: (202) 541-3240, Fax: (202) 541-3054. (Dirija a correspondência em Inglês).

Para obter mais informações sobre Planejamento Familiar Natural, os anticonceptivos e outros temas, dirija-se a:

Human Life International
Vida Humana Internacional
45 S.W. 71st Ave., Miami,
Flórida 33144 – USA Tel:(305) 260-0560;
FAX : (305) 260-0595;
E-mail: latinos@vidahumana.org

Para mais informações, no Brasil, sobre planejamento familiar, uso de métodos naturais e do termômetro eletrônico “L-Sophia”, dirija-se a:

Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família
PROVIDAFAMÍLIA
SQS 203, Bloco C Ap. 204
70233-030 – Brasília, DF
Tel.: (061) 224-9692 Fax: (061) 223-8497
E-mail: vieirahl@terra.com.br

(Traduzido do folheto “Métodos naturales de planificación de la familia” pela Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, com autorização da “Human Life International”)