Fidei Depositium


Denúncia de Irregularidades nas Missas de Dourados

Chamo a atenção para o artigo que dá título a esta postagem, do blog Apologeta, onde são feitas denúncias corroboradas por fotos.

O que alguns padres vêm fazendo é, literalmente, uma pouca vergonha. Vendo as fotos do referido artigo, fico pensando: até quando alguns sacerdotes vão continuar querendo aparecer?

Não só tomo parte na denúncia acima, mas chamo a todos que vêem coisas semelhantes em suas paróquias, a que denunciem: fotografe, grave vídeos, escrevam em blogs, twitter, DENUNCIEM!

No Brasil só existem católicos frouxos, com raras exceções? Cadê a virilidade dos católicos deste país, que ficam vendo tudo e vergonhosamente se omitem?

Parabéns ao Fernando, do blog Apologeta!

Vejam as barbaridades denunciadas:

http://apologeta.blogspot.com/2009/09/fwd-denuncia-de-irregularidades-nas.html



São Justino escreve sobre a Eucaristia no século II

São Justino (100 -160), filósofo, mártir
Primeira Apologia, 67.66

«O verdadeiro pão descido do céu»: no século II, uma das primeiras descrições da eucaristia para além do Novo Testamento

Justino MártirNo dia a que chamamos dia do sol [domingo], nas cidades e nas aldeias todos os habitantes se reúnem num dado lugar. Lêem-se as memórias dos apóstolos e os escritos dos profetas segundo o tempo de que se dispõe. Quando a leitura termina, aquele que preside toma a palavra para chamar a atenção sobre os ensinamentos recebidos e para exortar ao seu seguimento. Depois levantamo-nos, e em conjunto apresentamos as intenções de oração. Seguidamente traz-se o pão, o vinho e a água. O presidente dirige ardentemente ao céu súplicas e acções de graças, e o povo responde com a aclamação «Amen!», uma palavra hebraica que quer dizer: «Assim seja».

Chamamos este alimento eucaristia, e ninguém o pode tomar se não acredita na verdade da nossa doutrina e se não recebeu o banho do baptismo para a remissão dos pecados e regeneração. Porque nós não tomamos este alimento como se toma um pão ou uma bebida vulgar. Do mesmo modo que, pela Palavra de Deus, Jesus Cristo nosso Salvador incarnou, tomando carne e sangue para nosssalvação, também o alimento consagrado pelas próprias palavras rezadas e, destinado a alimentar a nossa carne e o nosso sangue para nos transformar, este alimento é a carne e o sangue de Jesus incarnado: esta é a nossa doutrina. Ao apóstolos, nas memórias que nos deixaram, a que chamamos os evangelhos, transmitiram-nos a recomendação que Jesus lhes fez : Tomou o pão, abençoou e disso : «Fazei isto em minha memória; isto é o meu corpo». De igual modo tomou o cálice, abençoou-o e disse: «Isto é o meu sangue». E só lhos deu a eles (Mt 26,26s; 1Co 11,23s)… É no dia do sol que nos reunimos todos, porque este é o primeiro dia, aquele em que Deus para fazer o mundo separou a matéria das trevas, e ainda o dia em que Jesus Cristo nosso Salvador ressuscitou dos mortos.



Liturgia e Breviário no iPhone

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 17 de fevereiro de 2009 (ZENIT.org).

Agora é possível acompanhar e rezar tanto a liturgia como o breviário no iPhone ou no iPod Touch, graças à aplicação iBreviary.

Trata-se da primeira aplicação católica projetada para o iPhone que recebeu o alento do Conselho Pontifício para as Comunidades Sociais.

O iBreviary também estará disponível para a plataforma Symbian, e em breve será utilizável em telefones Nokia, Samsung etc. Também se programará uma versão para o Windows Mobile.

Pode-se encontrar todas as informações sobre o iBreviary e seu download no site:

www.ibreviary.com.